Atração do Playground Music Festival, Chris Lake fala sobre expectativa de tocar novamente no Brasil - 15/05/2017


Da redação


Um dos maiores festivais de música eletrônica do país, o itinerante Playground Music Festival está completando doze anos. O evento, que nasceu em Goiânia, em 2005, e já se espalhou por mais de setenta cidades ao longo do período, comemora seu aniversário em São Paulo, no dia 15 de julho. Além disso, o Playground passa por uma turnê comemorativa pelo país, com edições em Porto Alegre (20 de maio), Belo Horizonte (7 de outubro), Rio de Janeiro (16 de dezembro) e Recife e Florianópolis, em abril de 2018.


 


20170110photo00000144_500




Caracterizado pela temática de parque de diversões e focado numa dance music ligeiramente mais pop, com ênfase no trance e em variações da house, o festival apresenta neste ano nomes como Infected Mushroom, John Aquaviva, Skazi e Boris Brejcha.

Para a edição de São Paulo, o londrino Chris Lake, considerado pela produção um dos pontos altos do festival, bateu um papo rápido com a House Mag, falando sobre suas expectativas e o que o público pode esperar de seu set. Confira: 


 


chrislakemain_500


 


HOUSE MAG: Você começou no mundo da música aos 14 anos, e ao longo desse tempo muita coisa mudou no cenário da musica eletrônica e em sua vida. Quais foram as transformações mais importantes?

CHRIS LAKE: A mudança que vejo como mais importante foi o acesso do público à música nova. É incrível o quão fácil é hoje pra alguém escutar um som de um artista, e então aprender mais sobre ele online, conhecer mais do seu trabalho. Com tantas opções disponíveis, minha responsabilidade como artista também aumenta, em fazer uma música que sempre evolua e fique em destaque. Esse desafio me motiva todos os dias.




HM: Você tem viajado o mundo para ter novas experiências musicais e agregar em sua cultura musical. O que você espera do Brasil, nesse sentido?

CL: Eu estive no Brasil muitas vezes nos últimos dez anos e é um país pelo qual me apaixonei. Sua cultura é tão rica e as pessoas são tão quentes que chega a ser viciante vir para cá. Eu também adoro a comida de vocês, especialmente o pão de queijo. O Brasil é um dos países mais loucos para se fazer uma festa, então espero por coisas muito boas.



 




HM: Mesmo vindo de um país frio, você é conhecido por saber esquentar uma festa. Você está preparando algo especial para seu set no Playground Music Festival? O que espera do público daqui?

CL: Claro, eu sempre tenho algo especial na minha manga, e no Playground Music Festival não vai ser diferente. Neste ano, tenho trabalhado em bastante material novo, e definitivamente vou testar faixas e edits que ninguém ouviu ainda. Mal posso esperar para tocar para os brasileiros e fazermos uma grande festa!