Jeremy Olander chega no Brasil e se apresenta no Winter Music Festival - 12/07/2017

Da redação


Desde que explodiu na cena eletrônica em 2010, o produtor Jeremy Olander vem sendo considerado um dos salvadores do “Real” Progressive House,  estilo que ganhou fama nas mãos de Sasha e John Digweed. Suas faixas profundas e atmosféricas ajudaram o gênero a voltar a crescer e ganharam a aprovação das duas lendas citadas acima, além de artistas como Henry Saiz, Guy J, Pete Tong,  Davide Squilace, Hernan Cattaneo e Dubfire, apenas citando alguns.


Mais foi a 8 anos atrás quando  Eric Prydz lançou Jeremy Olander em sua gravadora Pryda Friends que  ele realmente ganhou o mundo.  Jeremy foi o artista que mais lançou faixas na gravadora de Prydz além de fazer uma tour histórica junto a Eric com direito a abertura no Madson Square Garden.  Jeremy Olander também gravou um BBC Radio 1 Essential mix b2b com Eric Prydz, que foi considerado um dos melhores do ano.



Passando da sua fase na Pryda Friends, Jeremy Olander lançou pela renomada MicroCastle, gravadora que é a casa de artistas como Guy J, Eagles & Buttelies, Chaim  e Navar.  Logo depois foi convidado por Coyu a fazer parte da gravadora Suara, onde lançou 2 EPs ‘Hanover’ e ‘Talespin’, ambos sendo os releases mais bem vendidos da gravadora.  O Single ‘Panorama’ do seu ultimo ep pela Suara atingiu o TOP 1 do renovado chart de Progressive House do Beatport em 2016, ficando no topo por mais de 35 dias seguidos. 


Recentemente Jeremy Olander entrou para o requisitado time da Bedrock, gravadora de John Digweed, com um EP colaborativo com ‘Cristoph’.  A faixa ‘Last Dance’ atingiu o TOP 1 de Progressive House, solidificando cada vez mais o artista no top do gênero. 



Já como remixer, Jeremy Olander teve seus dotes na produção musical requisitados por artistas como Digitalism, Henry Saiz, Dosem, 16bit Lolitas e Glenn Morrison. Seu ultimo remix para Sailor & I e Eekkoo já soma mais de 1 milhão de streams no Spotify,  o que é um numero bem significativo para uma faixa de cunho conceitual ‘Underground’. 


 A sua ultima grande empreitada é a sua gravadora VIVRANT, lançada no final de 2015 e que rapidamente se tornou um dos maiores selos de Progressive e de Techno no mundo, já tendo lançado faixas de Henry Saiz, Finnebassen, Jamie Stevens, Khen, Eekkoo entre outros.


Como Dj, Jeremy Olander vem encantando os quatro cantos do mundo com suas sonoridades únicas do Progressive e Techno  em festivais como Creamfields UK, Misteryland, Baum Park, EDC e Ultra.  Com um calendário intenso de tours pelo globo, o artista se apresentou recentemente em clubs como Amnesia Ibiza, Bahrein Buenos Aires, Sound Los Angeles, Output Nova York, Goodba em Sydney, Kyo em Singapura, Spybar chicago e The Cat & Dog em Tel Aviv.


Com a sua primeira tour agendada no Brasil, Jeremy Olander se apresenta neste final de semana no Rio de Janeiro, São Paulo e no Green valley, onde é uma das atrações principais da pista Underline no Winter Music Festival 2017


 Confira esta entrevista exclusiva da House Mag com Jeremy Olander


 HOUSE MAG:  Olá Jeremy !  Somos grandes fans do seu trabalho há muito tempo e estamos muito felizes por finalmente estar vindo se apresentar ao Brasil, especialmente por estar se apresentando no Winter Music Festival 2017 no Green Valley, evento comemorativo pelos 10 anos da House Mag!


No Brasil, diferente de varias partes do mundo, o “Real” Progressive nunca foi muito popular, porem nos últimos anos o real Progressive  vem pegando grande popularidade, especialmente na cena Techno nacional. Então acreditamos que é uma hora perfeita para você vir se apresentar no Brasil. Gostaríamos de começar esta entrevista lhe perguntando quais são seus sentimentos  perante ao Brasil, que tipo de publico e vibe você esta esperando encontrar por aqui e o quão empolgado você está para as suas primeira apresentações em  solo Brasileiro.


Jeremy Olander: Muito Obrigado pelas belas palavras! Eu definitivamente venho sentido que o estilo que produzo vem ganhando força nos últimos anos. As melodias têm começado a aparecer em gêneros que sempre foram mais minimalisticos e voltados apenas para a parte percussiva! É muito bom ver isto acontecendo!A maioria dos artistas fala isso sempre que vai fazer alguma tour em algum lugar, mais tocar no Brasil era realmente um sonho  para mim já há muito tempo. As pessoas que fazem parte da cultura eletrônica parecem realmente apaixonadas e os Clubs Green Valley e Warung são dois dos maiores do mundo! Realmente não vejo a hora de conhecer o país e de me apresentar.” 


HOUSE MAG:  Você  preparou um set especial para House Mag, para nosso selo de Progressive Timeless Moment,  para dar aos fans um pouco do que você pretende tocar no Brasil.  Você poderia nos contar um pouco sobre este set, as faixas que estão nele e sua inspiração?


Jeremy Olander: Este é um pedaço de um set que gravei  na minha apresentação em Toronto no Ano passado.  Eu tenho tocado bastante na America do norte e este set foi em um dos principais clubs do Canada. Eu adoro tocar long sets da abertura até o encerramento,  inclusive algumas semanas atrás eu toquei por mais de 8 horas na festa open air do meu Selo VIVRANT em Stockholm  e foi ainda melhor.  Ou seja, são musicas que escolho na hora, minhas e de outros artistas. Espero que vocês gostem! 



HOUSE MAG:  Os últimos anos parecem ter sido extremamente positivos para sua carreira, especialmente pelo lançamento do seu selo Vivrant!  2017 já começou com muita força com o lançamento do seu primeiro EP na lendária Bedrock,  com uma das faixas em colaboração a ‘Cristoph’ atingindo o TOP 1 de Progressive House do Beatport. Você pode nos contar o que mais podemos esperar do Jeremy no segundo semestre, especialmente em termos de lançamentos, colaborações e selos?  E um álbum do Jeremy, há previsão?


Jeremy Olander: Sim, os últimos 2-3 anos forma maravilhosos! Tive grandes EP na Suara, especialmente a faixa Panorama que foi muito bem nas vendas e suportes!  Já a minha gravadora teve um inicio ótimo e acho que todos os EPs que lançamos chegaram ao TOP 1 , talvez com exceção de 1 ou 2. Eu realmente não poderia imaginar que isso aconteceria tão rápido, e estou muito grato a todos que deram suporte.


Como vocês citaram, acabei de vir da minha estreia na Bedrock. Isto foi muito importante para mim e algo que  queria realizar havia muito tempo, desde que comecei a fazer musica! Agora  na Vivrant, acabamos de lançar um EP do jovem Khen, que também pegou TOP 1 de Prog House. Após este lançamento teremos um EP meu e depois um de outro artista. Provavelmente ainda lançarei um remix e um EP original a mais até o final do ano.    á na parte de colaborações, espero começar uma em breve nos próximos meses, mais ainda não posso falar quem é , mais estou super empolgado sobre esta parceria”


HOUSE MAG:  A sua gravadora/selo  Vivrant está crescendo e chegando próximo ao décimo lançamento! Além dos seus próprios lançamentos, vimos grandes nomes consagrados já lançando no selo como Henry Saiz, Eekkoo, e como você mesmo citou, Khen, que é um dos protegidos do gigante Guy J. Que novos artistas podemos esperar para lançamentos na Vivrant?  Teremos algo especial comemorativo para o décimo lançamento?  E a Vivrant pretende lançar faixas de algum artista desconhecido e lançar ele para o mundo? 


Jeremy Olander: Como citei anteriormente, O EP do Khen teve um resultado fenomenal! O cara é ultra talentoso e temos o mesmo manager. Ele foi para a America comigo recentemente e tocou nas minhas residências da Vivrant em Los Angeles, Nova York  e São Franscisco.  Ele com certeza vai lançar mais faixas conosco. Além do Khen, em breve lançaremos um EP de um artista que sou muito fan ha anos.  O Ep dele lançará em breve e vocês terão que esperar para ver quem ele é.Para o nosso décimo lançamento, que provavelmente ainda vai  sair este ano eu pretendo algo muito especial.  Não acredito que já chegamos ao décimo!  Eu sei que é chato dizer isto, mais realmente não posso falar nada ainda, terão que esperar. A ideia do selo Vivrant sempre foi de ajudar talentos novos e talentos já estabelecidos, e nós realmente fazemos isto. Recebemos muitas demos por semana e se você é um produtor pode nos mandar seu demo que eu realmente escuto tudo. Mais por favor, escutem os nossos lançamentos e vejam se tem haver com o trabalho que pretendem enviar rsss.



HOUSE MAG:  Sobre a sua tour no Brasil, você poderia nos contar um pouco sobre as suas datas? Alguma nova residência pelo mundo ou festas da Vivrant planejadas?


Jeremy Olander: Tenho muita coisa planejada e falo isto com muita alegria. O destaque com certeza seria a tour no Brasil, minha estreia no La Feria em Santiago do Chile, e em Cordoba no Forja de Eventos com Nick Warren. Também tem minhas datas na minha residência em Los Angeles onde toco long sets da abertura até o fechamento. Tem também datas em Ibiza na festa Resitence com Sasha, John Digweed, Art Department e Dubfire e uma grande open air na Sérvia com Guy J.Também estaremos fazendo o primeiro showcase da Vivrant fora de Stockholm no ADE deste ano. Além de mim, teremos os artistas Ejeca, Khen ,Tim Engelhardt e meu grande amigo Guy Mantzur. Será num espaço muito maneiro para 500 pessoas que se chama Theatre Amsterdam e será perfeito para o nosso selo! Mal posso esperar!


HOUSE MAG:  Agora vamos falar um pouco sobre produção musical,  poderia nos falar um pouco da sua experiência criativa no estúdio? Suas faixas, sendo elas mais progressivas ou melódicas ou com uma orientação mais pro Techno sempre tem um estilo singular, sempre soando como novidade. Claramente você não segue uma formula enlatada. Você poderia nos contar como funciona o seu processo criativo? E com tantas festas e tour como consegue manter uma agenda de lançamentos tão intensa?  


Jeremy Olander: Muito obrigado! É verdade, não tenho uma formula .  As vezes eu começo criando uma melodia e as vezes começo criando as baterias. Realmente depende da ideia que estiver na minha cabeça. Uma coisa que eu posso te dar certeza é que quando eu sento no estúdio eu já tenho na minha cabeça um entendimento  do que quero fazer. Se eu sentar no estúdio e não estiver inspirado eu paro tudo e vou fazer outra coisa. Eu consigo fazer bastante coisa durante minhas tours porque estou acostumado a produzir usando headphones  e acabo planejando meu itinerário de uma maneira que me permita parar  por uma semana algumas vezes durante o ano para que eu possa usar o meu estúdio e tenha tempo para a família. Tem funcionado bem já que consigo finalizar 4-5 faixas em algumas semanas.” 


 HOUSE MAG:  Jeremy, muito obrigado por esta belíssima entrevista!  Estamos muito empolgados em curtir o seu set no Brasil! Poderia deixar uma mensagem final para os seus fãs no Brasil e leitores da House Mag?


 Jeremy Olander: Muito obrigado por me receberem! Foi muito bom falar com vocês!  Vejo vocês em breve e mal posso esperar para mostrar para vocês minhas novas faixas que foram finalizadas a algumas semanas!  Obrigadoooo”